top of page

Jardim de Vó


A importância do Jardim de Vó


Olá, amigos, tudo bem? Após um período de férias retornamos hoje com o primeiro texto de 2023. Falaremos hoje sobre o “Jardim de Vó”. Gostou do tema? Ficou curioso? Então, vamos ao texto conferir o que esse jardim tem de especial.


Imagem: pixabay.com


Antes de iniciarmos o texto, queria dizer que dedico esse tema aos meus pais, que hoje já são avós e que ao longo da vida me inspiraram, mesmo de forma inconsciente, a gostar das plantas, cultivar, cuidar e manejar a terra, seja na forma de jardim, pomar, horta, ervas medicinais, temperos e outras culturas como milho, mandioca, cana de açúcar, etc.


O termo “jardim de Vó”, geralmente, é utilizado como adjetivo para um jardim mais caótico, menos ornamental, menos formal e com muitas espécies vegetais. São plantas ornamentais, flores, hortaliças, ervas, temperos, roseiras, frutíferas, etc. Ou seja, tudo junto e misturado.


Imagem: pixabay.com


A primeira impressão pode causar estranhamento, pois tudo parece caótico, desorganizado e sem lógica. Mas, por traz de cada planta, existe uma história, um porquê, uma sabedoria, um estudo, uma utilidade.


O Jardim de Vó tem uma característica marcante que é a função, o uso diário de quem o cultiva. Por esse motivo, nunca teremos jardins iguais. Cada Vó tem o seu jardim, de acordo com seu interesse.


Por exemplo: há avó que gosta de enfeitar a casa com flores em jarros com água e colocar em cima da mesa. Dessa forma, ela cultiva diversas plantas de corte para que essa rotina seja possível com facilidade. Podem ser margaridas, alpínias, helicônias ou manjericão. Vai depender do que se tem no jardim naquele dia.


Imagem: pixabay.com


Outra questão muito importante é a alimentação. Os temperos, chás, hortaliças e frutas estão sempre a mão. Alguém já tomou suco de couve com limão? É uma delícia e nunca faltava em minha casa. Pamonha feita de milho colhido no quintal e mandioca frita eram iguarias que costumávamos degustar sem parcimônia na minha família.


Meus pais me ensinaram a propagar as plantas através de sementes, estacas ou divisão de touceiras. Esse conhecimento passado de geração em geração foi muito importante para mim. Sempre que minha mãe ganhava uma planta de presente, dava um jeito de reproduzi-la e de repente elas se multiplicavam e se espalhavam pelo jardim.


A compra de plantas era coisa rara naquela época, a cultura de ganhar e trocar mudas com os vizinhos e parentes que era uma prática comum e muito gratificante, pois era motivo para encontrar, trocar ideia e presentear alguém.


Imagem: pixabay.com


Outra questão importante em relação a esse tipo de jardim é o espaço disponível. Mesmo os pequenos quintais, varadas ou lajes, sempre estão repletos de plantas. Cada Vó dá o seu jeito no espaço que possui e se orgulha de cada planta.


Imagem: Acervo pessoal da Art Wall - Casa da vovó Sandra


Recentemente, lembramos de um fato interessante. Há 24 anos atrás, quando apresentei minha namorada (atualmente minha esposa) para a minha mãe, elas foram passear no jardim. Entre várias plantas, uma chamava atenção e ficava bem em frente da casa, em um lugar privilegiado, na apresentação da roseira, minha mãe disse: “minha rosa tem nome de rainha, se chama Rainha Elizabete”. Era uma rosa cor de rosa, enorme, muito linda e que existe até hoje! O cuidado que minha mãe tinha com aquela roseira era enorme. Não é incrível a conexão dessa geração de avós e avôs com suas plantas?


Com o passar dos anos, a vitalidade de nossos pais e avós vai reduzindo e os jardins vão ficando abandonados e perdendo aquele trato que só eles sabiam dar.


Que tal dar uma forcinha para eles? Ajudar na manutenção do jardim? Afofar a terra? Retirar uma praga ou erva daninha? E fazer com que a “Rainha Elizabete” floresça novamente no seu jardim!


É uma boa oportunidade de relembrar os bons momentos do passado, reestabelecer essa conexão com as plantas, com a terra e também aprender muito com seus entes queridos, não acham?


Se você precisar de ajuda para fazer uma manutenção ou revitalização do Jardim da sua Vó entre em contato conosco, teremos o maior prazer em te atender.


Grande abraço,


André Cenak



Imagem: Acervo pessoal - André Cenak


Por ANDRÉ CENAK I Paisagista Olá, eu sou André Cenak, Paisagista, proprietário do Jardim Salvaterra Paisagismo e escritor aqui na Art Wall.

Os artigos publicados neste blog expõem o pensamento de seus autores sobre um determinado tema de interesse público, sendo da responsabilidade de cada autor o conteúdo aqui veiculado.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Assine nossa Newsletter

Receba em seu email dicas de arte e de bem estar para o seu lar

Email enviado!

bottom of page